Open Your Heart

The Men

Sacred Bones, 2012

 

POR Eduardo Yukio Araujo publicado em 16.04.2012

compartilhe esta notícia

Open Your Heart, quarto disco do quarteto novaiorquino The Men, conjuga em dez canções boas referências e uma solução criativa para uma possível crítica: "tudo isso já foi feito antes, e melhor". Tal acepção encontra refúgio em uma época em que bandas munidas de guitarras – ou mesmo as que mesclam recursos eletrônicos com instrumentação convencional – naturalmente recebem certa negatividade quando não estão no limite do experimentalismo. Convenhamos, com toda a história musical à distância de um clique, fica difícil utilizar rótulos e generalizações. Normalmente é possível identificar a matéria-prima da maioria das bandas novas, o que não representa nem um mal nem um bem em si. Questões qualitativas à parte, há certa miopia em relação ao fragmentado mundo da música pop, em que a reciclagem não necessariamente resulta em diluição rasteira. Aqui temos uma banda que percorre o porão áspero, escuro e úmido desbravado anteriormente por nerds, malucos e afins: aquele em que através do punk rock foram filtrados pedaços de acid-rock, hardcore, power pop e krautrock.

"Animal", com sua bateria tribal e ataques demenciais de riffs desenfreados reflete um Butthole Surfers juvenil. Que "Country Song" seja a música seguinte, lenta e instrumental, e de fato com acento country, serve para mostrar que os estadunidenses desejam escapar do pastiche. Recheada de reverberação e invocando uma espécie de tensão pré-violência, é uma amostra de que aprenderam a conter impulsos adequadamente. Há espaço para um verdadeiro motorik alemão via pós-punk inglês oitentista (“Oscillation”) e um guitar pop à la Teenage Fanclub pré-Bandwagonesque ("Please Don't Go Away"). Ao invés de soar como uma desesperada tentativa de acerto, a coesão ocorre exatamente pela entrega sempre agressiva da banda, equilibrando o tom mesmo em cenários diferentes.

O riff de "Ever Fallen In Love", do Buzzcocks, serve de base para a canção que dá título ao álbum, mas aqui a música não possui o refrão explosivo dos mancunianos, apostando em uma dramaticidade mais adulta: "Mesmo que ela diga não, eu não consigo desencanar". “Candy” é o momento mais tranquilo de um trabalho áspero, uma balada acústica simples. Evidente que, pela lógica do quarteto, o que vem a seguir é uma pedrada Jesus Lizardiana, acelerada e distorcida (“Cube”). Evocando uma influência mais evidente no disco anterior (Leave Home, de 2011), "Presence" recebe a benção espiritual de J.Spaceman, lentamente construída com acordes que caminham de um blues torto para a chapação escapista psicodélica.

A última canção de Open Your Heart acaba, voluntariamente ou não, desenhando o escopo todo: baseada em um riff primitivo e insistente,"Ex-Dreams" se insinua entre a distorção noise e as variações de andamento, explosões barulhentas e uma introdução vocal que só aparece depois de dois minutos. Não apenas na forma, mas na dinâmica e na entrega, lembra o período mágico do Sonic Youth entre Evol (1986) e o imaculado Daydream Nation (1988): uma banda que encapsulava suas muitas intenções em torpedos direcionados, ao mesmo tempo em que expandia sua visão sem abrir mão do experimentalismo. A solução empregada pelo The Men para o argumento do passado clássico e o referencial exacerbado foi ignorar a teoria mais ortodoxa. A percepção é clara: são nerds da nova geração, munidos de gigabytes de informação, com talento suficiente para canalizá-los em conteúdo atual. E não há problema algum nisso.

tags:
 the men, open your heart

reviews mais lidos


melhores soma

discos
faixas

Rob Mazurek Octet Skull Sessions

Julia Holter Ekstasis

The Thing & Neneh Cherry The Cherry Thing

 

Oyá . MetaL MetaL

livros & quadrinhos

Jake Adelstein Tóquio Proibida

Lourenço Mutarelli Quando Meu Pai Se Encontrou Com o ET Fazia Um Dia Quente

Marcello Quintanilha Almas Públicas

Vários Autores (org. Lucas Ribeiro) Transfer – Arte Urbana e Contemporânea

filmes
games

Pearl Jam . PJ 20 Cameron Crowe . Sony Music . 2011

Itamar Assumpção . Daquele Instante em Diante . 2011 Itamar Assumpção . Daquele Instante em Diante . 2011

Infinity Blade II Epic Games e Chair Entertainment . 2011

ICO and Shadow of the Colossus Collection Sony Computer Entertainment . 2011

mais reviews